domingo, 5 de julho de 2009

Artigo sobre Gêneros Textuais - Muito Bom!

Gêneros Textuais

Gêneros textuais são as diversidades de textos que encontramos em diversos ambientes de discurso na sociedade. Vários fatores sócio-culturais ajudam a identificar os gêneros, assim como a definir que gênero deve ser usado no momento mais adequado à situação, seja na oralidade, seja na escrita, seja no gestual.
Bakhtin, precursor da base teórica utilizada pelos estudiosos da temática, define gênero textual como um tipo relativamente estável de enunciado e aborda suas esferas de conteúdo, forma e estilo. Este enunciado refletiria as condições específicas e as finalidades das esferas da atividade humana que estão relacionadas com a utilização da língua. Essas esferas de atividades são múltiplas e cada uma delas nos remete a um ou mais gêneros textuais.Quanto mais uma esfera fica complexa, mais o gênero relacionado a ela torna-se complexo também.
Para Bakhtin os gêneros textuais podem ser primários (mais espontâneos) e secundários (menos espontâneos, portanto, mais elaborados). Para a tessitura de alguns gêneros, as condições de produção são diferentes, assim como a finalidade, o uso da língua-alvo e os sujeitos envolvidos na atividade de negociação em prol da interação, como é o caso do romance, por exemplo, que não raramente, traz dentro de si, gêneros textuais, cujas características funcionais se aproximam bastante de uma interação face a face, como um bilhete, uma carta para um amigo ou um poema feito sem planejamento prévio. É o caso da peça teatral, das palestras, só para termos um exemplo de gêneros secundários de duas modalidades diferentes do uso da língua: escrita e fala. Entretanto, recorramos ao próprio Bakhtin para uma distinção mais minuciosa sobre este fato:
Os gêneros primários, ao se tornarem componentes dos gêneros secundários, transformam-se dentro destes e adquirem uma característica particular: perdem sua relação imediata com a realidade existente e com a realidade dos enunciados alheios – por exemplo, inseridas no romance, a réplica do diálogo cotidiano ou a carta, conservando sua forma e seu significado cotidiano apenas no plano do conteúdo do romance, só se integram à realidade existente através do romance considerando como um todo, ou seja, do romance concebido como fenômeno da vida literário-artística e não da vida cotidiana.(BAKHTIN, 1994, p. 281).
É importante salientar que Bakhtin chamou de gêneros do discurso e não necessariamente gênero textual.Este seria mais uma materialização daquele, entretanto, o que é um romance senão a materialização de discursos diversos denominados de gênero discursivo por Bakhtin e pelos seguidores da Análise de Discurso (AD) e de gênero textual pelos mais afeiçoados pela Lingüística de Texto (LT).
Na escola, os gêneros textuais deixam de ser ferramentas de comunicação e passam a ser objeto de estudo. Koch cita Schneuwly & Dolz, que identificam três maneiras de abordar o ensino da produção textual. O primeiro diz respeito ao domínio dos gêneros. Eles são estudados isoladamente e devem seguir uma seqüência que vai dos mais simples aos mais complexos. O segundo diz que a escola é o lugar onde os processos textuais são mais trabalhados. É lá que se aprende a escrever e a desenvolver todo o tipo de produção textual. Em último lugar, critica a escola dizendo que ela não se preocupa em levar o aluno ao domínio do gênero, tornando impossível pensar numa progressão, visto que há a necessidade de dominar situações dadas, e os alunos se preocupam em dominar as ferramentas necessárias para funcioná-las.
É importante observar que o surgimento de novos gêneros textuais nada mais é que uma adaptação dos gêneros já existentes às tecnologias encontradas atualmente, o que nos permite entender que o suporte assume um papel importante. O e-mail troca mensagens eletrônicas, mas as cartas já trocavam mensagens antes, só que utilizando um meio diferente. Esse fato nos leva a outra observação. A depender de onde o texto é inserido (suporte), ele será um ou outro gênero textual. Como vimos no caso da mensagem que, se enviada de forma eletrônica ou se enviada de forma usual, escrita em uma folha de papel, será e-mail ou carta. Outro exemplo é o scrap – uma evolução digital do bilhete, criada e utilizada no Orkut[7] – e a charge animada – versão digital da charge.
Marcuschi, baseado nos estudos de Werlich, faz a definição de gênero e tipo textual mostrando a diferença e exemplificando os gêneros e os tipos textuais.
Usamos a expressão tipo textual para designar uma espécie de construção teórica definida pela natureza lingüística de sua composição (aspectos lexicais, sintáticos, tempos verbais, relações lógicas). Em geral, os tipos textuais abrangem cerca de meia dúzia de categorias conhecidas como: narração, argumentação, exposição, descrição, injunção. Usamos a expressão gênero textual como uma noção propositalmente vaga para referir os textos materializados que encontramos em nossa vida diária e que apresentam características sócio-comunicativas definidas por conteúdos, propriedades funcionais, estilo e composição característica. (MARCUSCHI, 2002, p. 27).

18 comentários:

  1. Amiga Carmen: Tenho sentido muito a tua falta na blogosfera. Por onde andas? O que andas a fazer do Gestar II? Dê notícias. O encontro será na semana que vem e precisamos fazer contato. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Acabou sexta-feira mas já estou com saudades. Que bom que pudemos partilhar mais um pouco da companhia uns dos outros. Não me deixe sem notícias. Abraços da Silvia.

    ResponderExcluir
  3. NÃo gostei estava esperando um exemplo

    ResponderExcluir
  4. também esperar exemplos, sem graça

    ResponderExcluir
  5. aki e muito e um porra nem parece o que eu quero vai toma so seus cú.

    ResponderExcluir
  6. se vcs tiverem achando ruiim me liga
    meia mole meia dura.

    ResponderExcluir
  7. Gênreros textuais podem ser cartas, decretos, leis, resenhas, blogs, chat, emails, anúncios, charge, bilhetes, carta comercial, debate, entrevista, orkut, entre outros...........

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito de sua reflexão.
    Gostaria de sua autorização para indicar seu blog para meus professores alunos.
    eliburian@ig.com.br

    ResponderExcluir
  9. Adorei, sua reflexão sobre gêneros textuais, peço sua autorização para indicar seu blog para meus alunos e professores amigos interessados em saber mais sobre a temática gêneros textuais.

    ResponderExcluir
  10. Gostei muuito!
    Muito bom ^^

    ResponderExcluir
  11. Pessimo, Tragico
    precisa de exemplos
    melhora isso ai..

    ResponderExcluir
  12. quem não sabe o que falar fica calado, antes de comentar besteiras,leiam ao menos não envergonhem nosso meio.
    E por favor se não sabe o que é gênero pesquise primeiro o google não é só pra falar besteiras! evoluam!
    Karina

    ResponderExcluir
  13. Concordo com você Karina,que absurdo pessoas que não sabem o significado de educação respeito pelo o próximo,usar o espaço para ser desagradável,poderia usar para compartilhar conhecimentos,não palavras baixas ou seja besteiras.
    Nazaré.

    ResponderExcluir
  14. só faltou vc colocar a referencia,para que possamos ir ao livro!

    ResponderExcluir
  15. mt bom adorei!!!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  16. CTRL C + CTRL V do Artigo

    ResponderExcluir